Um homem na frente do espelho passando corretamente o protetor solar da Safe Sea

Erros mais comuns na utilização do protetor solar

O uso do protetor solar protege a pele dos efeitos nocivos dos raios ultravioleta A e B, que causam envelhecimento precoce, queimaduras e aumentam a probabilidade de desenvolvimento do câncer de pele.  Mas para que esse produto consiga cumprir a sua missão, é essencial usá-lo corretamente.

Um estudo recente conduzido na Inglaterra mostrou que, quando o filtro solar é aplicada de maneira errada, ele fornece apenas 40% da proteção que seria esperada com base no fator de proteção solar (FPS), deixando a pele exposta às radiações UVA e UVB.

Neste post, mostramos os cinco erros mais comuns associados ao uso do protetor solar – para que você possa fugir desses hábitos. Continue a leitura e sabia tudo.

 

#1 Não aplicar protetor solar suficiente

O estudo que referimos no início do texto fez também o seguinte experimento: dividiu os participantes em dois grupos; num deles, as pessoas aplicavam uma quantidade adequada de protetor solar; no outro, uma quantidade insuficiente.

Depois de uma exposição ao Sol, os resultados mostraram que os danos causados pela alta exposição aos raios ultravioleta na pele dos usuários do primeiro grupo, o dos que haviam aplicado a quantia correta, durante cinco dias, foram menores que aqueles gerados em apenas um dia com pouca iluminação na pele do grupo que não usou nenhuma proteção.

De fato, de nada adianta economizar no produto: ele não fará qualquer diferença e será um desperdício de todo modo. Por isso, o Consenso Brasileiro de Fotoproteção criou a “regra da colher de chá”, que determina a proporção ideal de protetor solar para cada parte do corpo. Rosto e pescoço devem receber uma colher de chá de filtro solar cada um; torso, braços, pernas e costas, duas colheres de chá cada.

 

#2 Não reaplicar

Muitas pessoas aplicam o protetor solar apenas uma vez por dia, geralmente na parte da manhã. Trata-se de outro erro comum, pois mal sabem elas que, lá pela hora do almoço, precisamente quando o sol está mais quente, elas não estão mais protegidas.

Quando você expõe o protetor solar ao ar, ele vai perdendo parte da sua efetividade. Assim, o produto deve ser reaplicado para que a proteção continue. O ideal é que essa reaplicação ocorra de três em três horas, em condições normais, e de duas em duas horas, em caso de exposição solar. A reaplicação imediata é recomendada em caso de sudorese intensa ou banhos de mar ou de piscina.  

 

#3 Não usar protetor solar no inverno ou em dias nublados

Não é apenas no verão que temos uma grande incidência de radiação UV; ela está sempre à nossa volta, pois resulta tanto da luz solar direta como indireta – por exemplo, no simples reflexo da areia na praia já estamos expostos à radiação solar.

É certo que a intensidade dos raios UVB é maior no verão e os riscos associados variam de acordo com o nível de intensidade desses raios. Ao longo do dia, essa intensidade também varia – ela pode ser até 150 vezes mais forte ao meio-dia do que às 6h da manhã. Já os raios UVA, que estimulam o envelhecimento da pele, são propensos a flutuações muito mais leves e estão por aí, por toda a parte, pairando no ar mesmo nos dias nublados e com baixa luminosidade.

Além disso, a luz visível, aquela que emana da tela do seu computador ou celular enquanto você lê este artigo, também é nociva, pois provoca manchas, fotoenvelhecimento e até queimaduras. Por esse motivo, é um erro não usar protetor solar em um dia nublado ou frio. Aplique protetor solar todos os dias, sem exceção.

 

#4 Não espalhar bem por todo o rosto

Deixar de espalhar bem o protetor solar nas sobrancelhas ou perto da linha do cabelo é um erro, pois é precisamente nesses locais que surge o chamado melanoma, o tipo de câncer de pele mais agressivo.

Se for necessário, use uma escova de cerdas macias para espalhar o produto nesses locais.

 

#5 Não aplicar na hora certa

Na primeira aplicação do dia, o ideal é o protetor solar seja aplicado pelo menos 20 minutos antes de sair de casa ou antes da exposição solar. Isso é para que a pele tenha tempo suficiente de absorver o produto e para que ele comece a fazer efeito. Portanto, é um erro aplicar e sair para o sol.

Lembre-se: o protetor solar é um produto essencial, mas para que ele faça o seu trabalho, você deve fazer o seu, aplicando-o corretamente.

 

Safe Sea® – Prevenção e proteção contra queimaduras de águas-vivas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *