O câncer de mama é o tumor mais comum entre as mulheres – cerca de 30% dos cânceres registrados entre o público feminino estão localizados na região mamária. No Brasil, segundo dados recentes do Instituto Nacional de Câncer (INCA), as estimativas de incidência da doença para o ano de 2019 são de cerca de 60 mil novos casos.

Este é também o tipo de câncer que mais mata entre as mulheres. A boa notícia é que, nos últimos anos, o diagnóstico e o tratamento da doença têm sido aprimorados de forma rápida, em virtude de um melhor conhecimento da história natural dos diferentes tumores e das suas características. Se descoberta no seu estágio inicial, as chances de sobrevida são da ordem dos 87%.

Nesse cenário, a detecção precoce é fundamental. Quanto mais cedo um tumor invasivo é detectado, mais cedo o tratamento é iniciado e maior é a probabilidade de cura. Embora se trate de uma doença silenciosa e assintomática durante certo estágio de desenvolvimento, a prática clínica mostra que 75% dos casos podem ser detectados pela própria mulher durante o autoexame.

 

Por isso, a conscientização é tão importante e é para isso que existe o Outubro Rosa. Criado no início da década de 1990, o movimento pretende dar visibilidade à doença, compartilhar informações sobre o assunto e proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento, contribuindo para a redução da mortalidade.

 

A data 19 de outubro marca também o Dia Internacional da Luta contra o Câncer. Aderindo a esta importante campanha de conscientização, neste post reunimos algumas informações essenciais sobre a doença e apresentamos o passo a passo para fazer o autoexame. Vem com a gente!

 

O que é o câncer de mama?

Segundo o Inca, o câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação desordenada de células da região mamária, o que pode ser ocasionado por inúmeros fatores. Esse processo gera células anormais que, ao se multiplicarem, formam um tumor.

Há vários tipos de câncer de mama – 18, para sermos mais precisos. Sendo assim, a doença pode evoluir de diferentes formas – alguns tipos apresentam um desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem mais lentamente.

 

Quais são os sintomas mais frequentes da doença?

Na maioria dos casos, ainda nos estágios iniciais, o câncer de mama se manifesta por meio dos seguintes sinais e sintomas:

– Nódulo (caroço), fixo e geralmente indolor, na região da mama (principal sintoma da doença, está presente em cerca de 90% dos casos);

– Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja;

– Alterações no bico do peito;

– Pequenos nódulos nas axilas ou no pescoço;

– Saída espontânea de líquido anormal pelos mamilos.

Todos os sinais e sintomas devem sempre ser avaliados por um médico assim que detectados pela mulher.

 

Quais são os fatores de risco?

Fatores de risco são características ou situações que tornam um indivíduo mais propenso a desenvolver uma determinada doença. No caso do câncer de mama, os principais fatores de risco são a idade avançada, o excesso de peso, a exposição aos hormônios femininos, com o uso de contraceptivos hormonais (estrogênio-progesterona), história familiar ou mutação genética. É oportuno também frisar que certos comportamentos, como o consumo excessivo de bebida alcoólica, podem estimular a doença.

 

Além disso, há estudos que indicam que algumas substâncias, como parabenos, estão associadas ao desenvolvimento do câncer de mama – em 2004, oncologistas encontraram resquícios dessas substâncias tecidos tumorais de pacientes com essa doença. Já tratamos desse assunto em detalhe aqui no blog, ao mostrarmos Safe Sea® como um protetor solar completamente livre dessas substâncias. Sendo assim, prefira sempre produtos sem parabenos.

 

Quais são as formas de tratamento?

O tratamento depende de vários fatores, tais como estágio em que se encontra a doença e a idade da paciente. Cirurgia, radioterapia, hormonoterapia e quimioterapia são formas comuns de tratamento.

 

Como fazer o diagnóstico?

A mamografia (um exame com uma máquina que “escaneia” a região da mama e consegue detectar o tumor) deve ser realizada anualmente, principalmente por mulheres acima dos 35 anos. O exame dura entre 15 a 30 minutos, é ofertado pelo SUS e geralmente coberto por planos e seguros de saúde.

Além da mamografia o autoexame frequente é uma excelente forma de diagnóstico precoce.

 

De preferência em frente ao espelho, siga o seguinte passo a passo:

  1. Com os braços caídos, observe os dois seios.
  2. Coloque as mãos atrás da cabeça e observe o tamanho, a posição e a forma do seu mamilo.
  3. Com a mão direita, examine a mama esquerda: dívida mentalmente o seio em seções e analise devagar cada uma delas. Use a polpa dos dedos, e não as pontas ou unhas, para sentir a mama.
  4. Faça movimentos circulares, de cima para baixo.
  5. Repita o procedimento na mama direita.
  6. Pressione levemente o mamilo e verifique se sai alguma secreção.

Qualquer alteração deve ser comunicada imediatamente ao médico.

Faça regularmente o autoexame e, nunca é demais dizer, informe-se e cuide-se!

Acompanhe no Instagram a nossa ação no Outubro Rosa e saiba mais sobre a prevenção do câncer de mama em http://saude.gov.br/saude-de-a-z/cancer-de-mama.
#OutubroRosa #PrevinaSe #LaçosQueAbraçam

 

Safe Sea® – Prevenção e proteção contra queimaduras de águas-vivas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *